Compras, compras, compras!

O final de ano é marcado por uma corrida insana. Ficamos todos empenhados em comprar, comprar, comprar. Todo tipo de coisa passa pela nossa cabeça, desde o ar de felicidade dos nossos queridos ganhando os presentes, até a antecipação do gosto pelas comidas que preparamos com tanto carinho. E a corrida às lojas e supermercados é intensa.

                Nossa segunda filha, Flávia e sua família, estão morando na China, em Pequim. A vida deles nos últimos meses está concentrada na poluição e formas de driblá-la, a fim de que possam sobreviver. Eles estão confinados em casa acompanhados de vários filtros de ar, tentando chegar a uma qualidade somente razoável. Nos raros dias em que a poluição diminui eles saem à rua pela manhã e só voltam à noite.

                A China debate-se nos últimos anos com a xenofobia dos que lembram a humilhação a que foram submetidos por séculos por potências estrangeiras e os cosmopolitas globalizados, que tentam uma integração intensa com a comunidade internacional. O resultado é uma sociedade que está a anos-luz de ser uma potência que funcione. O estado totalitário conseguiu uma população acrítica, urbana em sua maioria, que necessita de comida e de bens como nunca. A poluição é vista como necessária, mesmo que pensem em alternativas para contorná-la. Os chineses têm a característica da resignação o que explica a desintegração do meio ambiente protagonizado pela avidez por prosperidade e integração, provocando cataclismos econômicos e desastres ambientais.

                Nestas festas de final de ano olhamos para dentro e para trás perpetuando um modelo consumista que, certamente, levará o planeta ao caos. Nosso olhar deveria ser mais abrangente. As compras, sabemos, não produzirão mais felicidade. O que podem produzir é um ambiente mais degradado e nossas vidas mais difíceis. Produzimos dívidas, casas cheias de quinquilharias, crianças confusas com tantos brinquedos que piscam, que combatem o mal, a exemplo dos Angry Birds matadores de porcos, bonecas que sugerem modelos inalcançáveis. Estamos criando pessoas tão ou mais consumistas do que nós.

                Portanto preparemo-nos para o montão de embalagens, papéis para presentes, brinquedos amontoados pelos cantos e comida de sobra nas geladeiras. E nós adultos temos que dar destino ao lixo, encontrar lugar para as quinquilharias dos amigos secretos e formas para reciclar as aves, os peixes, os porcos que preparamos em demasia todos os anos, mesmo que, todos os anos façamos promessas de ceias mais razoáveis.

                Mas é Natal, gente! Olhar para a frente e de forma abrangente requer algumas escolhas. Tenho uma amiga, a Dorotéa, uma artista em presentear. Já ganhei flores produzidas na sua casa, já a vi levar mudinhas de flores para outras pessoas e já ganhei receitas de família caprichosamente escritas à mão. Do Ubirajara ganho textos significativos, editados em papel luxuoso, cuidadosamente arranjados e cheios de emoção. Da Marilise ganho bolachas pintadas por ela mesma. Tudo um primor de carinho.

                Da minha parte, pobre que sou em criatividade, lamento algumas perdas de pessoas que poderiam estar perto de mim no Natal. Umas perdi para sempre, outras ao longo do caminho por motivos que geraram sofrimento desnecessário. A estas volto meu pensamento e desejo-lhes coisas boas e o propósito para que, no ano que vem aconteçam milagres. Os milagres que almejo são os seguintes: quero amar de novo, quer detestar menos, quero perdoar de verdade, quero fazer análises críticas do meu próprio comportamento para que tudo seja mais fácil.

                Enquanto olho para minha alma combalida, festejo junto com tantas pessoas que amo e que formam um círculo de alegria e amizade difíceis de perder. São pessoas que vivem comigo uma vida feliz, não sem problemas, mas voltada para os festejos do que realmente vale a pena.  Junto com essas pessoas, quero agradecer pelo amor, pelos elogios, pelas críticas, pelo carinho que recebi através desta coluna ao logo do ano.

                Um lindo Natal e um lindo Ano Novo! Meu carinho e reconhecimento são imensos. 

Comentários

Horários de Voos

Vôo Empresa Horários Destino (s) Frequência
VCP - PFB Azul 08:45:00 Passo Fundo segunda a sábado
VCP - PFB Azul 17:40:00 Passo Fundo segundas, terças, quartas, quintas, sextas e domin
VCP - PFB Azul 23:15:00 Passo Fundo segundas, terças, quartas, quintas, sextas e domin
VCP - PFB Azul 20:35:00 Passo Fundo sábados
PFB - VCP Azul 06:00:00 Campinas - SP todos os dias
PFB - VCP Azul 10:55:00 Campinas - SP todos os dias exceto aos domingos
PFB - VCP Azul 19:55:00 Campinas - SP todos os dias exceto aos sábados
FLN - PFB Azul 16:15:00 Passo Fundo Segundas, sextas e domingos
PFB - FLN Azul 18:20:00 Florianópolis Segundas, sextas e domingos

Matriz

Curta o Diário

(54)3316-4800Passo Fundo

(54)3329-9666Carazinho

  • Passo Fundo: (54) 9905-7864

    Carazinho: (54) 9959-5027