Diário da Manhã

Política

Apoio voltado ao reequilíbrio fiscal

Autor: Édson Coltz
Apoio voltado ao reequilíbrio fiscal
Foto: Édson Coltz/DM

Deputada Any Ortiz (PPS) aborda, em entrevista ao Diário da Manhã, articulações do Governo Sartori para encerrar o assunto da dívida junto ao Planalto

Apresentado recentemente ao presidente Michel Temer, o pré-acordo do Regime de Recuperação Fiscal (RRF) é tido pelo Governo gaúcho como o meio de reequilibrar as contas públicas e permitir investimentos nos próximos anos. Se for fechado, conforme o Piratini, o Estado poderá ficar três anos sem pagar a dívida com a União, ou seja, serão R$ 11 bilhões disponíveis em caixa. O eventual acordo, entretanto, não é unanimidade, sobretudo, entre os partidos de Oposição que criticam as exigências para contrapartida do Estado, o que passa pela privatização de estatais. Em temas polêmicos como esse, o Governo conta com o apoio de sua base aliada que articula a aprovação de matérias de interesse do Executivo, o que não quer dizer que não possa divergir dependendo da questão.

A deputada governista, Any Ortiz (PPS), acompanhou Satori à Brasília, na última semana. Conforme expressou em entrevista ao Diário da Manhã, essa é uma das principais alternativas para amenizar a crise vivida no Rio Grande do Sul. “O plano prevê que a dívida deixe de ser paga por três anos, renovável por mais três, permitindo que o governo volte a investir em saúde, educação, segurança, infraestrutura e pague em dia os salários”. Ainda assim, ponderou “é preciso discutir ponto a ponto. Se a União não tivesse se solidarizado e feito um acerto, onde o Estado não pagou alguns meses, com certeza a situação estaria muito pior”, recorda, em referência a acordos firmados em anos anteriores.

Na mesma linha, a parlamentar apontou outras iniciativas que têm como foco o controle das finanças. “Muitos dos projetos que o Governo apresentou na Assembleia são de enxugamento da máquina e melhor aproveitamento dos nossos recursos. Como trocar a licença prêmio por licença interesse; [mudanças nas regras para] a cedência de servidores aos sindicatos; o fim das fundações. São projetos importantes que dão um outro direcionamento ao Estado. Não chegamos a esse momento de crise do dia para a noite.  O PPS foi parceiro justamente pensando no futuro do Estado”, afirmou Any Ortiz, ao frisar que este foi um dos assuntos tratados durante a passagem por Passo Fundo, onde também esteve no Hospital da Cidade e, ainda no aspecto econômico, falou sobre o atraso nos repasses financeiros aos hospitais. “Visitamos a ala da Oncologia, conversei com a administração sobre a questão da dificuldade financeira do Estado para o repasses”.

Esse apoio ao Governo, ponderou ela, diz respeito às propostas alinhadas às posições do partido. Quando não há o mesmo entendimento, porém, o voto não é garantido. “Sou da base do Governo, mas sou absolutamente contrária a aumentar impostos, tanto que votei contra o aumento do ICMS, porque a população já vive um momento de dificuldade muito grande e a crise não é somente dentro do setor público, é geral. São 14 milhões de desempregados, o setor privado passa por dificuldades e apertar ainda mais a população somos contrários e, se vier uma nova proposta nesse sentido (porque o aumento acaba no final do atual Governo), nossa opinião continuará sendo a mesma”, garantiu.

E as eleições?

Já há alguns meses (conforme demonstram matérias publicadas pelo Diário da Manhã) a cidade tem recebido pré-candidatos às eleições de 2018, principalmente, à majoritária. No caso do PPS, disse Any Ortiz, o assunto ainda não é tratado como prioridade, já que o quadro está muito indefinido. Por isso, não confirma se a intenção é apoiar uma eventual candidatura de Sartori à reeleição. “Não discutimos internamente. Recebemos a visita de outros candidatos e estamos conversando. Sartori não fala ainda em candidatura a reeleição”, resume.

Apesar disso, adianta que a pretensão do PPS é eleger novamente uma cadeira na Assembleia Legislativa e um parlamentar para a Câmara Federal. “O partido, com certeza, vai discutir com as bases assim que o quadro estiver um pouco mais definido”,  disse ela, indicando que pretende buscar a reeleição.

Entre os integrantes do quadro partidário local, o vereador Pedro Daneli afirmou que, diferente de 2014, tende a não concorrer a deputado federal, já que presidirá a Câmara de Vereadores no próximo ano. Ao acompanhar a deputada em visita ao Diário da Manhã, também comentou sobre a organização local. “A principio, não devemos ter candidatos de Passo Fundo, pois vamos apoiar a candidatura da deputada Any [no caso da Assembleia Legislativa]. O partido deverá ter um candidatura a deputado federal, pois precisamos de um representante. É sempre importante, por exemplo, para a busca de emendas voltadas a atender as demandas da nossa comunidade”, defendeu Daneli.

Comentários

Galerias de Fotos

Anuncie Aqui

Horários de Voos

Vôo Empresa Horários Destino (s) Frequência
VCP - PFB Azul 08:45:00 Passo Fundo segunda a sábado
VCP - PFB Azul 17:40:00 Passo Fundo segundas, terças, quartas, quintas, sextas e domin
VCP - PFB Azul 23:15:00 Passo Fundo segundas, terças, quartas, quintas, sextas e domin
VCP - PFB Azul 20:35:00 Passo Fundo sábados
PFB - VCP Azul 06:00:00 Campinas - SP todos os dias
PFB - VCP Azul 10:55:00 Campinas - SP todos os dias exceto aos domingos
PFB - VCP Azul 19:55:00 Campinas - SP todos os dias exceto aos sábados
FLN - PFB Azul 16:15:00 Passo Fundo Segundas, sextas e domingos
PFB - FLN Azul 18:20:00 Florianópolis Segundas, sextas e domingos

Baixe o Aplicativo do Jornal

Matriz

Curta o Diário

(54)3316-4800Passo Fundo

(54)3329-9666Carazinho

  • Passo Fundo: (54) 9905-7864

    Carazinho: (54) 9959-5027